DM

Enquanto este dia durar me lembrarei: quem está de parabéns sou eu
Nesta data e em todas as que passaram a sê-las em maiúscula
Depois daquela vez em que te conheci
Lembra?
Não, obviamente
Eu compreendo (Mentira)
Pra você foi uma só, só mais uma,
E eu, mais um solitário, sozinho, só
Desses que contam as vezes que teve na vida
Como todas aquelas deste instante em que você passa neste mundo
Indiferente a este para quem os instantes não passam
Neste dia em que estou de parabéns
Ganho um imerecido
Tão imenso, descabido presente
Que cabe direitinho aqui dentro
Do meu coração vacilante
Sob o cobre dos cabelos
Tem sorriso de madrinha
E estranhamente
Olhos de serpente
Risonhos e ardentes
Desprezo formalidades
Nem ligo se por isso me desprezam
Não lido bem com intimidades
E congratular alguém pelo aniversário me soa tão estranho, mesmo sendo eu um estranho
Não gosto de dar parabéns
seja qual for o dia e o mês
Não gosto de receber parabéns
senão no Vinte de Setembro