I did it

Médicos, professores e especialistas na vida em geral recomendam que “um pouco de modéstia e humildade” faz bem ao espírito.
Mesmo aos que pensam não ter por que ser modestos ou humildes.
Para ser humilde e modesto basta ser modesto e humilde. Caso contrário você corre o risco de soar imodesto e jactancioso, o que no Brasil, é pecado.
Devemos todos ser cordiais e cordatos.
Outro segredo da felicidade é não intelectualizar. Explicando melhor: use a cabeça mas não dê bandeira de que está usando o intelecto. As pessoas também não gostam.
Embora seja bastante possível – e mesmo fácil – exercer certas atividades humanas aparentemente complexas. Literatura, por exemplo. É possível fazê-la sem usar o dito-cujo. Em certos casos, até aconselhável. Só tome cuidado para não fazer literatura de alta qualidade – aí podem pensar que você tá dando uma de gostoso.
Em geral, os literatos pretendem apenas espairecer e seus consumidores, curtir uma onda. Você sabe, a vida lá fora é uma pedreira. Por que não relaxar e gozar? E esse papo de levar literatura a sério é tão maçante.
Não sejamos perfeccionistas correndo feito bobos atrás do fogo fátuo. Levantemos as mãos agradecidos, aceitemos a alegoria da fruição e vivamos em estado de deleite.
Embora também adepto do lema... (que lema? você de certo perguntará; o lema, ora, aquele da modéstia e humildade)... ...gostaria de fazer propaganda do meu bloguinho.
Como alguns de vocês provavelmente sabem, o link da desgracera é
Você que sabe apreciar uns versinhos arretados não vai se arrepender.
Lá haverá de encontrar artigos para toda a família:
·        Texteronas para o papaizão
·        Consolos para a mamãezinha
·        Desbundices para o garotão
·        Bengaladinhas para a garotinha
E o melhor: sempre no bom sentido do ramo
Nesse nosso blogue o freguês pode ir lendo assim como quem desbrava a Floresta Amazônica descendo a Oscar Freire.
É tudo muito lindinho e fofo, exatamente ao gosto dos leitores da Vejinha e da Caras. Outro dia até falamos do Gugu e adjacências. Não somos esnobes como certos blogueros por aí que se pretendem poetas. Na verdade, morríamos de medo quando atravessávamos a Ponte Pênsil rumo à ponta (epa!) da praia enquanto envergávamos nosso estado infantil.
Nesse nosso blogue (com licença, precisamos rir hehehehehe hehehehehe hehehehehe), em suma, esse papo de pessoalidade já deu faz tempo. Já não bastam os chinas no espelho retrovisor?
Se ler nosso blogue com atenção, você verá que nossa taxa de imitação do Pessoa é de apenas 34,91%.
Seguramente a mais baixa do mercado.