Outro roubo ainda

Dentro de mim infinitas coisas que têm nome
Dentro de mim infinita preguiça de classificá-las
Dentro de mim infinito medo de inventá-las
Não me interessa o que posso
Não me interessa o que não posso
Me importa o que sou
O que sou, deixo aos poetas
Que têm tempo e imaginação e sentimento de sobra para perder
Eu, não