Mínimo horizonte

Você escuta o terceiro movimento da Sonata ao luar, Opus 27, nº 2, e no segundo acorde começa a tentar imaginar um mundo de dois ou três artistas a falar ao resto da humanidade, com homens e mulheres simplesmente fechando os olhos para aceitar (não enfim) e receber a arte.
Não haveria mais competitividade, não haveria mais gente frívola sonhando em subverter a (agora sim, enfim) ordem natural das coisas e do mundo.
Todos que não fossem os dois ou três mestres artistas fechariam os olhos, baixariam a cabeça e usufruiriam a dádiva. Sem rebeliões estéreis que ao cabo de mil anos terminassem numa guerra mundial a exterminar metade dos homens e mulheres do planeta.
Era possível.
Por que não?