Mouro

O caminho dos meus olhos são os seus
O rumo das minhas mãos são as suas
O suor da minha testa é o seu
O desígnio da minha boca é a sua
O prêmio dos meus lábios é o seu
O fogo da minha língua é a sua
A razão são as pálpebras fechadas a ocultar pensamentos que são meus
O ritmo da viagem derradeira pela negra e úmida floresta de mistérios que conheço e delícias que desejo é do seu ventre o arquejo
Suas palavras são as minhas
Minhas palavras são as suas
Seu destino é minha luz
Minha voragem, seu remanso
Sua bonança, meu caos
O começo da vida, da morte, do fim