Admirável corpo novo

En retenant


Nos meus tempos de moleque discutia-se quem era mais realista: o Orwell de 1984 ou o Huxley de Admirável mundo novo. Na época — não sei se por juventude e ingenuidade ou porque ainda não tínhamos posto de ponta-cabeça nossas vidas de ponta-cabeça , a dúvida tinha a ver, não era a perda de tempo que parece ser hoje. Mas tendemos a achar nossos antepassados e nós mesmos no passado demasiado ingênuos para os tempos atuais. Pensamos que não sabíamos ver então o que vemos hoje. Não vimos o suficiente  como se enxergar com os olhos fosse o único método garantido de identificar a realidade neste nosso mundo de imagens.