Memórias do cárcere químico VI

Macaco! Safado! Imundo!
A loira oxigenada vai guindando o tom da voz ao pico do histerismo.
Seu macaco, volta pra África, seu macaco! Você não passa dum animalzinho sujo. Seu nojento! Preto! Porco!
Por um segundo, sob a ação dum raiozinho de sol, um brilho azul-esverdeado chameja duma das lentes de contato da dona.
Por outro segundo, do outro lado da grade, o chimpanzé, imóvel, parece querer entender o que vocifera a mulher. Aguardando nova manifestação da visitante do zoo.
Vendo que ela se afasta sem mais nem menos, o símio retoma suas momices para os demais curiosos.