Gerúndio terebentino

Se escreve a poesia
transparente no ar
em azul no céu
verde nas folhas
amarelo na gema
branco no papel
prata na lua
E dispensa
o carimbo do Nobel